Cuidados durante a gestação: Comer por dois ou para dois?

Gestação

CUIDADOS DURANTE A GESTAÇÃO: COMER POR DOIS OU PARA DOIS?

25/06/2015

Gestantes bem nutridas têm maiores condições de gerar bebês saudáveis. Porém, a ingestão de calorias e outros nutrientes não deve ser dobrada, mas sim aumentada de forma gradual e controlada. A gestante deve engordar até 12 kg durante toda a gestação.

A partir do segundo trimestre de gestação, ou seja, no quarto mês, a gestante precisa aumentar 300 calorias em sua dieta. Se estiver com baixo peso ou for adolescente, esta alteração deve acontecer desde o início. Mas, se for obesa ou estiver com sobrepeso, este aumento na ingestão calórica não é recomendado.

Muitas alterações orgânicas acontecem durante a gestação, causando desconforto no dia-a-dia da futura mamãe. Para aliviar este desconforto algumas medidas podem ser adotadas:

  • Anemia: aumentar o consumo de alimentos ricos em ferro (carnes, vegetais verdes escuros, feijões), ácido fólico (vegetais verdes escuros, frutas cítricas, frutas oleaginosas, feijões, cereais integrais, leite e derivados, produtos fortificados com ácido fólico) e vitamina C (frutas cítricas, tomate, pimentões, brócolis, etc.);
  • Azia: evitar pão, bolos, doces, açúcar, gordura, café, chá preto, chá mate, refrigerante, água com gás e mistura de sucos e outros alimentos na mesma refeição;
  • Enjoos, vômitos e excesso de salivação: consumir alimentos secos (biscoitos salgados e torradas), não tomar líquidos com as refeições, consumir frutas como laranja e abacaxi, fazer refeições leves antes de dormir para reduzir o enjoo matinal e não permanecer por mais de duas horas sem se alimentar;
  • Constipação intestinal (intestino preso): fazer caminhadas e outros exercícios físicos, aumentar o consumo de água, aumentar o consumo de fibras (cereais integrais, ameixa, mamão, frutas com casca), consumir lactobacilos (leite fermentado);
  • Insônia: fazer refeições leves a noite e duas horas antes de deitar-se, consumir alimentos relaxantes (alface, chá de erva cidreira, melissa, flor de maracujá), evitar alimentos com cafeína (café, chá mate, chá preto, chocolate, refrigerantes à base de cola);
  • Gases intestinais: evitar laticínios gordos (leite integral, creme de leite e queijos amarelos), pães e outras massas brancas (feitos com farinha refinada), preferir frutas frescas às conservas, evitar vegetais crucíferos (repolho, couve flor, brócolis), comer sem engolir ar, ou seja sem conversar;
  • Hemorroidas: estimular o bom funcionamento intestinal utilizando as orientações citadas anteriormente, evitar pimenta e gorduras em geral (manteiga, maionese, chocolate);
  • Inchaço: reduzir o consumo de sal, aumentar a ingestão de água, fazer exercícios físicos, usar sapatos confortáveis e roupas leves.

Durante o pré-parto, a gestante não deve ingerir alimentos, pois se for aplicada anestesia durante o parto, pode gerar eventualmente o vômito e consequente aspiração.

Após o parto, geralmente é oferecida uma dieta leve. Mas logo, a parturiente inicia dieta normal. É fundamental o aumento da ingestão de água, pois influenciará na produção de leite materno, e na atenção ao bom funcionamento intestinal.

Anúncios

Excesso de tecnologia é igual a falta de vitamina D

Vitamina D1EXCESSO DE TECNOLOGIA É IGUAL A FALTA DE VITAMINA D

18/06/2015

Sem percebermos, talvez em razão dos dias mais frios ou menos ensolarados, nos aninhamos dentro de nossas casas ou escritórios e esquecemos que é muito importante “tomar sol” diariamente para que a vitamina D, fundamental para nossa saúde, cumpra seu papel em nosso corpo e ajude a evitar doenças graves.

Apesar de vivermos num país que tem à disposição muitos dias de sol aberto, nossos hábitos e rotinas pessoais, especialmente nos meses frios, além da conhecida “correria diária” nos levam a ignorar a importância dos raios solares para a manutenção de uma boa saúde física e psicológica.

Além dessas questões, o uso excessivo da tecnologia como aparelhos de TV, computadores, vídeo games entre outros, além da violência dos grandes centros, tem contribuído para que pais e filhos permaneçam ainda mais longe do sol.

É claro que a vitamina D pode ser absorvida quando nos alimentamos, mas 20 minutos diários de exposição aos raios solares podem fazer com que o organismo produza vitamina D em quantidade que atenda nossas necessidades durante a juventude. Em situações especiais e para idosos pode ser necessária suplementação orientada por nutricionista ou médico após devida avaliação.

Diferente do que muitos imaginam, pesquisas realizadas ao redor do mundo demonstram de forma incontestável que há relação direta entre a exposição aos raios solares e a vitamina D, tanto na sua produção quanto no fundamental processo de absorção de cálcio pelo organismo, o que nos remete à saúde de nossos ossos, mas não é só isso.

Essas mesmas pesquisas constataram que a vitamina D está envolvida em inúmeros processos cerebrais, incluindo neurorregulação, neuroproteção, neuroplasticidade e desenvolvimento cerebral e, por isso, muitos desses estudos demonstram associação entre a falta de vitamina D e depressão, por exemplo.

A mesma vitamina D, está envolvida na síntese protéica dos músculos e no crescimento muscular, bem como no tratamento de fibrose hepática nos casos de hepatite C. Na infância, por exemplo, a falta de vitamina D pode levar ao raquitismo, causando uma desordem no crescimento. Entre outros problemas pode até afetar o esmalte dentário da criança.

Existem estudos relacionando a falta de vitamina D com câncer de mama, doenças cardiovasculares, doenças respiratórias em crianças entre outras.

Também chamada de Calciferol ou Colecalciferol, a vitamina D é denominada lipossolúvel, ou seja, está presente em óleos. Portanto, é encontrada em grande quantidade no óleo de fígado de peixes como o lambari, bacalhau, arenque, atum e algumas espécies de cação. Leite e ovos também são fontes de vitamina D, mas atingir a quantidade necessária de vitamina D somente com uma boa alimentação pode não ser suficiente.

É fundamental mudarmos nossos hábitos para inserir 20 minutos diários de exposição ao sol para que a vitamina D seja produzida pelo organismo e assim atenda as necessidades do corpo.

A hipervitaminose D, que é o excesso de vitamina D, não ocorre por ingestão alimentar e sim medicamentosa. A hipervitaminose D é caracterizada por hipercalcemia, excessiva calcificação dos ossos, e até mesmo formação de cálculos renais, podendo também levar a surdez. Daí a necessidade de avaliação profissional antes tomar qualquer cápsula de vitamina D.

Então, a dica é manter uma alimentação saudável e introduzir peixes, ovos e leite na rotina alimentar, além de equilibrar as atividades do dia a dia para aproveitar o sol que nos é oferecido diariamente e de graça, claro, respeitando os horários em que se deve evitar o sol forte.

Featured image Andréia Carrara é nutricionista pós graduada em nutrição esportiva e tem mais de 15 anos de experiência profissional. CRN3 10.525

Visite: andreianutricionista.com.br         e-mail: contato@andreianutricionista.com.br